HOME

25 de setembro de 2017

#RESENHA - Meus dias com você por Clare Swatman

Título: Meus dias com você
Autora: Clare Swatman
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Idioma: Português
ISBN: 8580417406
Ano de Lançamento: 2017
Skoob || Goodreads


Livro cedido em parceria com a editora

Compre aqui: Amazon | Saraiva

SINOPSE: Quando o marido de Zoe morre, o mundo dela desaba. Mas e se fosse possível tê-lo de volta?
Numa fatídica manhã, Ed e Zoe têm uma discussão terrível, algo recorrente no seu casamento em crise, e ela acaba se despedindo de forma brusca quando ele sai para o trabalho.
Pouco tempo depois, um ônibus acerta a bicicleta de Ed, matando-o e deixando Zoe arrasada por não ter lhe dito quanto o amava. Se tivessem ficado mais um pouco juntos aquela manhã, ele ainda estaria vivo? Será que poderiam ter reconstruído o amor que os unira?
Após dois meses, Zoe ainda não conseguiu se conformar. De luto, decide cuidar do jardim do marido, quando acaba caindo e desmaiando. Então, algo estranho acontece: ao acordar, ela está em 1993, no dia em que conheceu Ed na faculdade.
A partir desse instante, Zoe passa a reviver momentos cruciais de sua vida e percebe que talvez tenha conseguido uma segunda chance: uma oportunidade de fazer tudo diferente, de focar naquilo que realmente importa, de mudar os rumos do relacionamento – e, quem sabe, o destino de seu grande amor.



Meus dias com você é um romance narrado em primeira pessoa pela Zoe. Logo no começo, Zoe e o marido Ed têm uma discussão antes de irem trabalhar. No serviço, ela recebe a horrível notícia que seu marido foi atropelado e morreu. Passados dois meses, ela ainda se sente muito arrasada e a vida um poço de solidão sem fim.
Por que ela o deixara sair de casa sem lhe dizer que o amava?
(...)
Mas eu estava muito zangada com ele. E ele não tinha feito nada errado. Eu nem me despedi, e agora ele morreu e nunca mais vou poder dizer a ele quanto o amo. É tarde demais. O que vou fazer agora?

Até que, dois meses depois do acidente ela acorda e se vê em 1993, no dia em que ela conheceu Ed. Ela percebe que as coisas acontecem exatamente como ela viveu no passado e fica desesperada para tentar reverter a situação vinte anos a frente. Mas toda vez que ela o encontra e a noite chega, o dia seguinte avança alguns anos mais a frente, sempre em alguns de seus encontros. 
Meu coração se sente completo, feliz, e meu último pensamento antes de adormecer é que espero ter mais um dia com Ed. Pelo menos mais um dia.
Eu ficava suplicando para que Zoe contasse o que estava acontecendo para alguém, mas isso não acontecia porque ela tinha medo de mudar algo na história e piorar mais ainda a situação (tinha algo pior do que a morte de Ed?). Além disso ela não conseguia deixar de querer encontrá-lo mais uma vez e com isso a história seguia seu rumo como no passado.
Se a mente é um lugar estranho, então a minha é ainda mais estranha.
Jura? Kkkkkk. Brincadeiras a parte, a história do livro é basicamente isso. Enquanto a trama vai seguindo, Zoe compara os acontecimentos ocorridos no passado com o que acontece no presente, e assim nós vamos conhecendo a construção do relacionamento deles ao passar dos anos em duas perspectivas.

Tive problema com esse livro porque basicamente é só isso que acontece. Eu não consegui torcer pelos dois e nem fiquei ansiosa pelo próximo reencontro deles. Por mais que o final tenha uma reviravolta que não previ e tenha sido surpreendida, esperava mais e a decepção foi imensa. Não senti a paixão do casal porque desde cedo eles tinham opiniões muito divergentes sobre quase tudo: na vida em geral e na vida amorosa deles. Então ver Zoe esmurrando em ponta de faca e sendo fadada a cometer os mesmos erros durante o livro inteiro me desapontou.
No entanto, a mensagem do livro é bem proveitosa - eu mesma senti que deveria dar mais valor e dizer às pessoas que amo o quanto eu as amo todos os dias. Mas essa mensagem foi passada no começo do livro e não senti necessidade que essa questão se prolongasse tanto.
...sempre vou desejar a chance de mudar algumas coisas que fiz no dia em que ele morreu e nos meses e anos antes desse dia. Mas não posso, então tentarei carregar comigo os momentos felizes e esquecer os ruins...

Comente com o Facebook:

Um comentário :

  1. Oiii Anne

    Apesar das boas criticas que li em varios blogs, esse é um livro que não me chama a atencao, justamente porque acho que vou ter mais ou menos a mesma impressão que vc teve e não sentir tanta empatia assim pela história ou seus personagens. Uma pena que tenha sido um pouco decepcionante, espero que tuas próximas leituras te empolguem bem mais.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir

Assine a Newsletter

LINK ME!

Literatura Estrangeira

Mais Recentes

Literatura Estrangeira - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados