HOME

22 de outubro de 2020

#RESENHA - A Última Viagem do Lusitania por Erik Larson

Título: A Última Viagem do Lusitania
Autor: Erik Larson
Editora: Intrinseca
Páginas: 432
Idioma: Português
Ano de Lançamento: 2015
Gênero: História / Real
Compre aqui: Amazon | Submarino
SINOPSE: Em 1º de maio de 1915, com a I Guerra Mundial chegando a seu décimo mês, um luxuoso transatlântico, decorado como um palacete inglês, saiu de Nova York com destino a Liverpool, levando um número recorde de bebês e crianças. Era surpreendente que os passageiros estivessem tão tranquilos, já que os mares ao redor da Inglaterra tinham sido declarados zona de guerra pela Alemanha e havia meses os U-boats alemães levavam terror ao Atlântico Norte. Mas o Lusitania era um dos maiores navios “galgos”, e seu capitão, William Thomas Turner, acreditava piamente no cavalheirismo de guerra que por um século evitara que navios civis fossem atacados.
No caminho para Liverpool, porém, uma série de forças, algumas imensas e outras dolorosamente pequenas — arrogância, segredos, um nevoeiro —, convergiu na rota do Lusitania e de um submarino alemão, culminando em uma das maiores tragédias da história.
Esse episódio é contado de forma impressionante por Erik Larson numa narrativa cheia de glamour e suspense, que revive momentos de figuras célebres da época, como a arquiteta pioneira Theodate Pope e o presidente dos Estados Unidos Woodrow Wilson. O leitor é convidado a visitar os quartos compartilhados da segunda classe e a Sala 40, um misterioso departamento do Almirantado inglês, percorrendo fragmentos que capturam o drama e a carga emocional de um acidente cujo significado mais profundo foi obscurecido pelo tempo.


 Livro pra quem gosta de História, A Última Viagem do Lusitania vai contar todo o trajeto do navio em meio à Primeira Guerra, saindo de NY com destino à Liverpool. E não só isso, vai descrever detalhes do que foram os U-boats alemães e como jamais acreditaram que a Alemanha atacaria um navio civil.

Você acha que toda essa gente teria reservado passagem no Lusitania se achasse que poderia ser apanhada por um submarino alemão?


O autor Erik Larson é de uma inteligência indiscutível. Todo livro é baseado em uma vasta pesquisa que ele fez. A aflição do leitor durante toda leitura é palpável, já que somos os únicos que sabemos o fim dessa história, ao passo que a ansiedade a cada torpedo lançado vai aumentando. Vamos identificando ao longo da leitura cada detalhe que parecia sem importância culminar nesse enorme desastre.

... devido à convergência de forças díspares, fazer as coisas no tempo certo era tudo. Até mesmo o menor atraso poderia influenciar a história.

26 de agosto de 2020

#RESENHA - #3 Darkdawn Por Jay Kristoff

Título: #3 Darkdawn
Autora: Jay Kristoff
Série: Crônicas da Quasinoite
Editora: Plataforma21
Páginas: 704
Idioma: Português
Ano de Lançamento: 2020
Gênero: Fantasia/Young Adult
Compre aqui: Amazon | Submarino
SINOPSE: Nobre amigo, depois de um breve silêncio, podemos enfim voltar os olhos para a saga de nosso pequeno corvo. É certo que você deve estar curioso para saber o que aconteceu após os eventos sanguinários que abalaram as arenas de Godsgrave.

Com o irmão caçula nos braços, Mia Corvere saboreia seu triunfo. Foi uma longa jornada até aqui. A menina assustada que presenciara o enforcamento do pai tornou-se a assassina mais temida de toda a República de Itreya. Passados oito anos desde que começou a planejar sua vingança, Mia finalmente instaurou o caos na Cidade das Pontes e dos Ossos ao ceifar a vida do grão-cardeal e do cônsul.

No entanto, nem tudo é glória na vida da Faz-Rei. Os soldados luminatii e os servos da Igreja Vermelha estão à sua caça. Mercurio foi capturado e Mia deve salvá-lo antes que seu querido mentor pereça dentro dos muros da escola de assassinos. Entre sua fuga e o resgate do velho, ela precisa conquistar a confiança de Jonnen, seu irmão. Pois, neste momento, o que sobrou de sua família deseja vê-la morta.

Além disso, há algo mais assombrando seu destino. Um enigma fúnebre que cresce sob Godsgrave à medida que a veratreva se aproxima: os muitos eram um e serão de novo. Quando a noite chegar, talvez em definitivo, Mia Corvere conseguirá sobreviver num mundo em que até a luz dos sóis pode morrer?



Darkdawn é o ultimo livro da trilogia Crônicas da Quasinoite. Muitas coisas ficaram pendentes no livro anterior e nesse temos os desfechos de várias pontas soltas que foram deixadas durante a história. Mas não se engane, o livro possui 704 e nada é despejado de uma vez. Inclusive achei que esse livro ia começar exatamente na cena que acabou o Godsgrave e não foi bem assim. O que me deixou um porquinho frustada.

Em Darkdawn Mia ainda continua em busca de vingança (apesar de algumas coisas terem mudado durante o caminho) e talvez por causa de tanto tempo com esse único propósito na vida, ela acaba ficando um pouco desleixada, tomando decisões bem precipitadas, o que é bem diferente do que Mia custava ser em Godsgrave.
 Quando tudo é sangue, sangue é tudo

30 de março de 2020

#RESENHA - #2 Godsgrave por Jay Kristoff

Título: #2 Godsgrave
Autora: Jay Kristoff
Série: Crônicas da Quasinoite
Editora: Plataforma21
Páginas: 592
Idioma: Português
Ano de Lançamento: 2018
Gênero: Fantasia/Young Adult
Compre aqui: Amazon | Submarino
SINOPSE: A assassina Mia Corvere conquistou seu lugar nas Lâminas da Nossa Senhora do Bendito Assassinato, mas há aqueles que não a reconhecem como merecedora.

Exercendo seu sangrento oficio nos confins da República, ela ainda está longe de executar sua vingança. Após encontrar um antigo inimigo, Mia começará a suspeitar das motivações da própria Igreja Vermelha.

Quando é anunciado que Scaeva e Duomo farão uma rara aparição pública na conclusão dos grandes jogos em Godsgrave, Mia desafia a Igreja e se vende a um collegium de gladiadores para ter a chance de finalmente acabar com eles. Nas areias da arena, Mia encontra novos aliados, rivais antigas e mais perguntas sobre sua estranha afinidade com as sombras. Mas, à medida que as conspirações se desdobram nas paredes do collegium e a contagem de corpos aumenta, Mia será forçada a escolher entre lealdade e vingança, e descobrirá um segredo que poderia mudar a própria face de seu mundo.

Situado no mundo de Nevernight, que a Publishers Weekly chamou de "envolvente em sua complexidade e ousado em sua maldade", Godsgrave continuará a emocionar e satisfazer os fãs de fantasia em todos os lugares.


Eu não sei porque demorei tanto tempo para abrir esse livro e começar a ler. Estou chocada com tudo o que o autor conseguiu criar depois de Nevernight.


Continuamos seguindo Mia onde a história parou em Nevernight, ainda a procura de vingança pela morte de seus pais. Matar cônsul Scaeva e o cardeal Duomo, responsáveis pela ruína de sua família, é sua prioridade. Nessa sequência, o enredo é ainda mais insano e inesperado em todas as linhas. Jay Kristoff conseguiu dar continuação sem ser repetitivo.

Se a vingança tem mãe, seu nome é Paciência.

Achei Mia mais madura nesse livro e um pouco menos durona, o que acaba mudando tudo pra ela, principalmente quando faz amizade com alguns gladiatii. Personagens esses muito interessantes, que somaram muito na história e na evolução da personagem. Apesar desse lado mais emocional, não se engane, Godsgrave é tão brutal quanto Nevernight. Mia é simplesmente uma das melhores protagonistas femininas que conheci.

⠀⠀ ⠀
O enredo foi muito bem explorado e muitas reviravoltas e detalhes são revelados nesse livro. Em nenhum momento do livro, e ele tem mais de 500 páginas, a história se tornou chata, cansativa. Pelo contrário. Cada capítulo é de tirar o fôlego.

Em breve, o próprio céu vai conhecer o meu nome.


Aqui também temos aquela pitada de romance com sexo explícito, que pra mim foi uma surpresa e uma bem boa, (não vou me aprofundar para não dar spoiler), apesar de ter me deixado confusa no início por causa do livro anterior, mas aos poucos a gente vai compreendendo a personagem e o romance em si.


19 de março de 2020

#RESENHA - Teto para dois por Beth O'Leary

Título: Teto para dois 
Autora: Beth O'Leary
Editora: Intrínseca
Páginas: 400
Idioma: Português
Ano de Lançamento: 2019
Gênero: Romance/chick lit
Compre aqui: Amazon | Submarino
SINOPSE: Eles dividem um apartamento com uma cama só. Ele dorme de dia, ela, à noite. Os dois nunca se encontraram, mas estão prestes a descobrir que, para se sentir em casa, às vezes é preciso jogar as regras pela janela.

Três meses após o término do seu relacionamento, Tiffy finalmente sai do apartamento do ex-namorado. Agora ela precisa para ontem de um lugar barato para morar. Contrariando os amigos, ela topa um acordo bastante inusitado.

Leon está enrolado com questões financeiras e tem uma ideia pouco convencional para arranjar dinheiro rápido: sublocar seu apartamento, onde fica apenas no período da manhã e da tarde nos dias úteis, já que passa os finais de semana com a namorada e trabalha como enfermeiro no turno da noite. Só que tem um detalhe importante: o lugar tem apenas uma cama.

Sem nunca terem se encontrado pessoalmente, Leon e Tiffy fecham um contrato de seis meses e passam a resolver as trivialidades do dia a dia por Post-its espalhados pela casa. Mas será que essa solução aparentemente perfeita resiste a um ex-namorado obsessivo, uma namorada ciumenta, um irmão encrencado, dois empregos exigentes e alguns amigos superprotetores?



Teto para dois é um romance leve narrado em primeira pessoa pelos personagens principais: Tiff e Leon.

Quando peguei o livro para ler, achei que a história ia cativar, mas já de cara comecei a me incomodar com o tipo de narrativa que a autora quis colocar na parte de Leon (foto ao lado). Achei desnecessário e irritante. Não deu pra entender o objetivo de colocar duas narrativas diferentes em um mesmo livro quando não têm nenhuma relevância para a história.

O casal levou metade do livro pra se conhecer pessoalmente. Novamente achei (nesse ponto já estava implorando pois paguei 40 f@#$ reais no livro) que a história ia deslanchar, mas o casal era chato, previsível, sem sal e sem química.

4 de outubro de 2019

#RESENHA - #2 Voto de Sangue por J.R. Ward

Título: Voto de Sangue
Autora: J.R. Ward
Série: #2 Legado da Irmandade da Adaga Negra
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 467
Idioma: Português
Ano de Lançamento: 2019
Gênero: Romance/Drama
Compre aqui: Amazon | Submarino
SINOPSE: No volume 2 do spin-off da IAN, a Irmandade da Adaga Negra continua a treinar os melhores recrutas para a batalha mortal contra a Sociedade Redutora.

Entre os trainees do programa, Axe se revela um lutador perigoso e esperto – e também solitário, isolado por causa de uma tragédia pessoal. E, quando uma fêmea aristocrata precisa de um guarda-costas, Axe aceita o trabalho, embora esteja despreparado para a atração violenta que se acende entre ele e aquela a quem jura proteger.

Elise perdeu a prima num assassinato terrível, e o charme perigoso de Axe, o guarda-costas contratado por seu pai, é incrivelmente sedutor – e talvez funcione como distração do luto. No entanto, conforme investigam mais a morte da prima, e a atração física entre ambos se intensifica, Axe teme que os segredos dele e sua consciência torturada acabem afastando-os.

Enquanto isso, Rhage, o Irmão com mais sensibilidade, sabe tudo sobre autopunição, e quer ajudar Axe a atingir todo o seu potencial. Contudo, uma visita inesperada ameaça sua família, e ele se vê mais uma vez nas trincheiras lutando contra um destino que poderá destruir o que lhe é mais valioso.

Tanto as tribulações enfrentadas por Axe como as de Rhage vão exigir que os machos superem seus limites – e rezem para que o amor, em vez da raiva, seja as lanternas de ambos na escuridão.


Voto de Sangue é o segundo livro da série Legado da Irmandade da Adaga Negra que é um spin-off da série Irmandade da Adaga Negra. Nesse livros vamos conhecer mais sobre o casal Axe e Elise.
O livro é grande, mas não chega a ser enorme como muito dos livros das séries e apesar do seu tamanho, na primeira metade do livro vemos mais o desenrolar da história de Mary e Rhage, que adotam uma menina (vampira também). Confesso que não gosto muito quando os livros desenvolvem um pouco da história de um casal que já teve livro (acho repetitivo e desanimador) porque quero ler história, romances e desenrolar novos. 

Já a segunda parte temos mais participação do casal principal, que me decepcionou um pouco, pois a história ficou repetitiva e clichê. Inclusive, achei Axe bem machista. Esse negócio de "ah, mas ele já sofreu muito na vida" não cola mais. Sofrimento não te dá o direito de ser escroto.

Assine a Newsletter

LINK ME!

Literatura Estrangeira

Mais Recentes

Literatura Estrangeira - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados