HOME

8 de maio de 2017

#RESENHA - Garota em Pedaços por Kathleen Glasgow

Título: Garota em Pedaços
Autora: Kathleen Glasgow
Série: Livro Único
Editora: Planeta de Livros
Páginas: 384
Idioma: Português
ISBN: 9788542209334
Ano de Lançamento: 2017
Livro cedido em parceria com a editora

Compre aqui: Saraiva | Submarino

SINOPSE: Além de enfrentar anos de bullying na escola, Charlotte Davis perde o pai e a melhor amiga, precisando então lidar com essa dor e com as consequências do Transtorno do Controle do Impulso - um distúrbio que leva as pessoas a se automutilarem. "Viver não é fácil". Quando o plano de saúde de sua mãe suspende seu tratamento numa clínica psiquiátrica - para onde foi após se cortar até quase ficar sem vida -, Charlotte Davis troca a gelada Minneapolis pela ensolarada Tucson, no Arizona (EUA), na tentativa de superar seus medos e decepções. Apesar do esforço em acertar, nessa nova fase da vida ela acaba se envolvendo com uma série de tipos não muito inspiradores.

Cansada de se alimentar do sofrimento, a jovem se imbui de uma enorme força de vontade e decide viver e não mais sobreviver. Para fugir do círculo vicioso da dor, Charlotte usa seu talento para o desenho e foca em algo produtivo, embarcando de cabeça no mundo das artes. Esse é o caminho que ela traça em busca da cura para as feridas deixadas por suas perdas e os cortes profundos e reais que imprimiu em seu corpo.


Garota em Pedaços é um romance narrado em primeira pessoa por Charlotte, uma garota de 17 anos. O livro é dividido em três partes. Essa primeira parte é bem confusa porque não entendemos de início o que aconteceu para Charlie estar ali, mas aos poucos vamos entendendo sua situação e pelo que ela já passou. Charlie está em uma clínica psiquiátrica para garotas que se automulitam. É uma realidade que eu nunca vi sendo retratada em livros e foi escrito com tanta sensibilidade que acabou me tocando muito.

Alguns anos atrás viajando na internet eu me deparei com uma imagem horrível de uma menina que cortou as pernas inteiras (eram feridas enormes). Eu acabei não pesquisando muito na época e achei que era caso de depressão/suicídio. Mas nem sempre automutilação está ligada à pessoas suicidas. Esses cortes de alguma maneira aliviam a dor que elas sentem. Mas está longe de ser do jeito certo. Então o livro vai contar a história de vida da Charlie e como ela foi em busca de se curar, de deixar o passado para trás e seguir em frente. 
O corte é uma cerca que você constrói no próprio corpo para manter as pessoas do lado de fora, mas depois você chora para ser tocado.Mas a cerca é de arame farpado. E agora?
Quando Charlie sai da clínica ela se vê sem caminho, sem para onde ir, perdida. Um antigo amigo dela acaba ajudando-a a ir de Minneapolis até Tucson, onde ela se vê novamente perdida e sem rumo. Mas com muito esforço ela consegue um emprego de lavadora de pratos em uma lanchonete gordurosa e o pouco que ganha dá pra alugar um pequeno apartamento em um bairro ruim. Mas já é uma vitória, não é? 

Enquanto Charlie tenta seguir em frente e não se cortar, ela conhece algumas pessoas: algumas que a levam pra frente, outras para trás. Entre algumas que a trazem para trás está Riley West, o qual ela acaba se apaixonando. Ele é viciado em drogas e alcoólatra, uma combinação fracassada. Enquanto Char tenta não chafundar, Riley vai sucumbindo cada vez mais em seus vícios, levando-a com ele. Mas ela também fez amigos, que ajudam em um momento muito, muito delicado no livro.
Porque, quando você está machucada e alguém ama você, esse alguém devia ajudar, né? 
O livro é muito emocionante pois vai falar sobre temas tabus, que precisam ser discutidos como abuso emocional por parte dos pais, que foi o início de tudo para Clarlie, abuso de drogas, álcool, o sexo como forma de escape, abuso sexual e além disso, vai envolver arte e música como cura, o que foi tocante. Kathleen foi muito sensível em sua história e uso de palavras, afinal de contas a autora tem conhecimento de causa, o que torna a narrativa ainda mais impactante de forma positiva.
Cada aberração na minha pele é uma música. Encoste a boca em mim. Você vai ouvir uma infinita cantoria.
Além das emoções que eu senti ao ler um livro tão real e cruel, não tenho como deixar de falar da contracapa. Esses riscos que conseguimos ver na capa também estão na parte de trás e eles são em alto-relevo, ou seja, enquanto eu estava lendo, minhas mãos tocavam os riscos e eu me lembrava das cicatrizes no corpo da Charlie. Não sei se foi de propósito, mas a história me pareceu mais real ainda, quase palpável.

Não vou me estender muito na resenha porque o sentimento que senti ao lê-lo tem que ser vivido por vocês. Então leiam esse livro! Tenho certeza que vocês vão se sentir mais tocados com o sentimento e problemas alheios. E lembrem-se:

"E a gente tem mesmo é que se libertar do que nos deixa triste. Deixar de lado tudo o que não nos acrescenta. Porque o que não vier para o nosso lado com o intuito de trazer leveza, que tome o caminho de volta." - Autor desconhecido
Charlie Davis encontra sua voz e seu consolo nos desenhos. Eu encontro os meus na escrita. Qual é o seu consolo? Você sabe? Encontre-o e não pare nunca de fazê-lo. - Kathleen Glasgow

Comente com o Facebook:

7 comentários :

  1. nossa que resenha! senti calafrios lendo, por ser um tema tão atual! a gente nunca sabe o que se passa na cabeça de alguem q faz isso, e é incrivel a autora tocar em um tema assim tão delicado! AMEI AMEI a resenha, as fotos estão LINDAS, e definitivamente está na minha lista de leitura! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Tami e me fala o que você achou. Fiquei bem emocionada durante a leitura, espero que te emocione também! *-*

      Excluir
  2. Oi Anne, sua linda, tudo bem?
    Eu fico arrasada com essa história por saber que ela é tão real, pois a autora sofreu cada pedaço que ela colocou no livro. São temas pesados, mas concordo com você, precisam ser ditos. Muitos estão passando por isso nesse exato momento e precisam de ajuda. Espero que a autora traga essa mensagem de esperança no fim do livro. Um livro duro de ser lido, mas que é necessário, já está na minha lista!!!! Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Anne,
    Estou bem curiosa em relação a esse livro.
    Apesar da carga emocional envolvida, gosto quando exploram o assunto. Trás uma boa reflexão! A premissa é bem interessante e fiquei bem curiosa com o final.

    tenha uma ótima semana :D
    Nana - Canto Cultzíneo / Novo Twitter

    ResponderExcluir
  4. Olá, Anne.
    Eu já tinha lido uma outra resenha desse livro e me interessei bastante. Acho que é um assunto que todos deveríamos ler. Até agora não conheci ninguém próximo que passasse por isso, mas se acontecer quero saber mais sobre o assunto. E acho que isso da capa foi uma jogada bem inteligente deles. A história fica mais marcante mesmo.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi Anne! Tudo bom?
    QUE FOTOS MARAVILHOSAS! Vi várias propagandas sobre esse livro e fiquei extremamente curiosa a respeito. Obras que falam sobre temáticas pesadas assim, e que falam corretamente, são sempre bem-vindos na estante. Fiquei bastante interessada por saber que a autora desenvolve tantas temáticas tensas com esse tipo de sutileza que eu tanto admiro.
    Ótima resenha.

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi
    muitos estão falando bem desse livro, parece ser uma leitura tensa e tocante, mas que retrata temas sérios, que bom que gostou. Pelo que li na resenha da pra perceber que quem for ler tem que estar emocionalmente estável.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Assine a Newsletter

LINK ME!

Literatura Estrangeira

Mais Recentes

Literatura Estrangeira - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados